Noticias

Tratamento antirretroviral de ação prolongada

Os atuais medicamentos antirretroviral são altamente eficazes como prescrito. Porem, tomar diariamente a terapêutica antirretroviral pode ser um desafio e formulações injetáveis de longa duração poderia ser uma alternativa.

No saio, dois antiretrovirais imjectaveis de ação prolongada, o cabotegravir e rilpivina, sao administrados uma vez a cada 4 ou 8 semanas. A investigação demonstra que cerca de 90% das pessoas que já tinham carga viral indetectavel quando iniciaram o tratamento no saio mantiveram a supressão ao longo de dois anos.

O estudo esta a testar formulações de nano-suspensão dos dois medicamentos, administrados através de injeções intra-musculares nas nádegas. De momento as injeções tem de ser administradas por um profissional de saúde, embora a autoadministraçao tinha potencial para vir a ser no futuro.

Quase todos os participantes relataram reações na zona de injeção, mas estas foram geralmente leves ou moderadas e transientes, durando em media tres (3) dias. pesar da frequência de reações no local de injeção, os participantes relataram estar altamente satisfeitos com a terapia de longa ação e gostaria de continua-la.

Criança tem infeção pelo HIV controlada apesar de nao estar sob tratamento há 8 anos e meio

Criança tem infeção pelo HIV controlada apesar de não estar sob tratamento há 8 anos e meio

Uma criança de nove anos da África do sul tem a carga viral bem controlada apesar de estar sem tratamento antirretroviral ha oito anos e meio.

Uma criança participou no estudo CHER, um estudo que comparava duas estratégias de tratamento em crianças seropositivas para o HIV.

Diagnosticada com infeção pelo HIV quando tinha um mês, a criança iniciou o tratamento antirretroviral um mês depois e foi incluída de forma aleatória no grupo que esteve sob tratamento durante 40 semanas.

Continue reading “Criança tem infeção pelo HIV controlada apesar de nao estar sob tratamento há 8 anos e meio”

Novas orientações da OMS para pessoas com diagnósticos tardios de infeção pelo HIV

Novas orientações da OMS para pessoas com diagnósticos tardios de infeção pelo HIV

A Organização Mundial de Saúde (OMS) lançou um novo conjunto de orientações para o tratamento e cuidados de saúde de pessoas com infeção pelo HIV em estádio avançado incluindo pessoas com contagens CD4 inferior a 200 ou com doenças e sintomas graves relacionados com a infeção pelo HIV. As pessoas diagnosticadas com infeção pelo HIV, quando a sua contagem CD4 e muito baixa, tem um risco muito elevado de futura progressão da doença e morte e necessitam urgentemente de tratamento antiretroviral. Para as pessoas diagnosticadas com infeção pelo HIV e infeção oportunistas, como a tuberculose, o risco mantém-se elevado, mesmo quando o diagnósticos tardio tenha diminuído nos anos recentes, o numero continua a ser inadmisivelmente elevado.

Continue reading “Novas orientações da OMS para pessoas com diagnósticos tardios de infeção pelo HIV”

O alcance das metas 90-90-90 só e possível com o fortalecimento dos sistemas comunitários

Decisão dos Estados Unidos sobre o financiamento do PEPFAR em 2017 terá um efeito critico na capacidade de atingir os objetivos 90-90-90

A retirada de financiamento dos Estados Unidos para prevenção e tratamento do HIV na África Subsariana pode levar a 7.9 milhões de infeções adicionais e quase 300 000 mortes por SIDA ate 2030, segundo o modelo de impacto do financiamento Americano desenhado pelo Imperial College.

Como o maior doador mundial do Fundo Global para o combate a SIDA, Tuberculose e Malaria, e o maior financiador bilateral através do seu Plano Presidencial para o controlo da SIDA (PEPFAR), o financiamento disponibilizado pelos Estados Unidos e essencial para a resposta global a SIDA. Continue reading “O alcance das metas 90-90-90 só e possível com o fortalecimento dos sistemas comunitários”